Diário: Reconhecimento

Hoje, enquanto estava tomando um rumo, encontrei um garoto no ônibus que vende aquelas pastilhas, canetas e outras coisas mais. Pra quem não sabe, aqui em Salvador é muito comum que vendedores ambulantes façam suas vendas em ônibus (transporte público). Ja vi histórias de pessoas que começaram assim e estão ricas com direito a reportagem em horário nobre e tudo mais. Antigamente vendiam caramelos, quando eu era garoto atormentava a mente da corôa pra dar um vale-transporte e ter meu caramelo. Feliz década de 90:

"Caramelo de leite da Nestlé, aceitavaleaceitapasseaêó!!!"

Hoje existem grupos que sobrevivem desse tipo de trabalho, alguns são de casas de "restauração", ou centros sociais, casas de recuperação para pessoas que viveram no mundo das drogas e outros vícios; que saem vendendo canetas e tudo mais para arrecadar dinheiro e manter a casa.
Eu sei que você sabe disso e eu não precisava prolongar. Nessa viagem de hoje encontrei um garoto de 15 anos, a aparência não era estranha e pra variar eu não consigo lembrar quem é ou de onde o conheço. Mas ele me reconheceu e quando me viu logo percebi que os olhos esbugalharam. Ele sorriu pra mim (é raro alguem que não me conhece vir sorrindo, quando estou sério tenho uma máscara de poucos amigos) e logo veio dizendo: - Ei, te conheço! Você não lembra de mim? Mas eu lembro que você já me ajudou! - Eu larguei um sorriso, e respondi como o costume das ruas com um aperto-de-mão-venha-de-5 e o velho baianês:
- E aí? Beleza?
- Poxa cara, você vê como é a vida! Eu vacilei e vim parar aqui (apontando a camisa). Mas graças a Deus hoje eu tô livre!
- Que bom, brother! Fique triste não, pelo menos você ta no bom caminho!

Ele saiu e foi dar o testemunho no meio do ônibus. Bem articulado, pareceu ser muito sincero quando disse estar arrependido. Mas vejam só: 15 anos! Com essa idade a "criança" já tava envolvida no submundo. Lembrei da minha infância na Santa Cruz que vi poucos nesse caminho e ainda assim foram cedo para o Reino da Glória. Hoje em dia a coisa começa mais cedo e as proporções são gigantescas. Achávamos que não ia dar em nada e o bairro agora é um dos mais perigosos. O mundo ainda não ta perdido, podemos fazer bem melhor por muitos deles. Isso requer coragem e algum sacrifício. Vigiem os mais novos, não deixem que eles se percam. Se nossos governantes não sabem fazer o certo, vamos fazer por eles que todos saem ganhando.

Comprei as pastilhas de hortelã e ele falou ao outro rapaz que o acompanha
- Esse homem já me ajudou antes...
O resto não ouvi, muitos no fundo do ônibus me olharam com bom semblante. Eu confesso que fiquei assustado, não sei do que se tratava, mas ninguém me xingou. Maldita surdez! Ele desceu e nos saudamos com as mãos, cada um pra seu caminho. As pessoas tem o costume de me confundir com algum conhecido delas até no telefone. Tem sempre alguém sorrindo pra mim na rua por que acham que me conhecem (ou eu acho que não as conheço?). Problema vai ser quando quiserem me bater por que acham que sou quem não sou!

Caso não tenha sido eu o homem que ajudou o menino, quero agradecer a você que fez essa boa ação. Se eu ajudei e não lembro é mais um aviso que provavelmente terei o Mal de Alzheimer quando envelhecer.

 PS: Caso encontrem muitos erros no texto é por que o teclado é ruim e eu sou péssimo em gramática.
 Depois eu reviso... eu acho.
PS 2: Se o guri jogou um verde e colheu maduro só confirma a minha tese que em Salvador temos ótimos talentos para a propaganda.

Comentários

  1. PS3: Caso não tenha reparado, as pessoas te confundem com um espírito de luz de energia branca! não importa se não as reconhece, elas reconhecerem vc já é indício de prosperidade! vc pode ate não ser quem elas pensam, mas representar boas lembranças de quem quer que seja já é sinônimo de bondade! beijo!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por comentar!