I'll be watching you

Olá! Estou aqui mais uma vez pra escrever algo que não vai mudar sua vida.  

Mas e aí? Tudo bem?  O que tem feito esses dias? Por onde tem andado? Com quem? Pra quê? E o que tinha lá de tão interessante? O que mais? É chato isso, né? Ficar perguntando sobre sua vida assim na “lata”, talvez você tenha se sentido um pouco invadido ou sentiu uma grande necessidade de me dizer o bom e velho: Te interessa? Não é de sua conta!
[OFF] Eu sou um cara tão chato com essas coisas que meu primeiro celular só veio aos 22 anos, eu costumava chamar de "Babá Eletrônica". Naquela época não me agradava ter que ficar dando satisfação sobre onde eu estava e com quem, pra ninguem!

Mas é isso que vem acontecendo com frequência e as pessoas não têm percebido. Talvez algumas delas até percebam e escapem dessa realidade, mas uma vez ou outra na vida todo mundo faz isso nas redes sociais. Desde que o MSN Messenger deixou de ser um serviço de mensagem instantânea e se transformou em Windows Live Messenger, ou que o mIRC perdeu espaço pro Orkut e Hi5 e abriram a possibilidade de “atualizar status” e “dizer algo para os amigos”, eu venho percebendo que as pessoas tem a urgência necessidade de dizerem algo.

Claro que temos a necessidade da comunicação, ouvi dizer que até os mortos às vezes querem fazer uma pegadinha e deixarem a mudez pra além do “além”.
Eu sou um exemplo clássico de usuário final em redes sociais, tô sempre escrevendo algo por muitas vezes fútil, mas o tema de hoje não vem a ser etiqueta na internet e sim o que você tem deixado fazer em sua vida. 

Essa semana eu estava pensando em como essas coisas tem evoluído e a quantidade de opções que estão sendo desenvolvidas para o conforto dos usuários, eu só não entendi o porquê da necessidade de informar de onde estou escrevendo tais coisas. Claro que a partir do momento em que escrevemos algo na internet ou que apenas conectamos nossos aparelhos à Rede, acabamos informando aos sujeitos onde estamos conectados.  Antigamente você só precisava informar o e-mail para se cadastrar em redes sociais, hoje em dia você tem que informar o CEP, a cidade e o escambal. Pra quê? Pra encontrar pessoas que talvez conheçamos da nossa região e que são amigos de nossos amigos? Acho que isso não é necessário... Na verdade não é, mas o pior não está nisso, as “pessoas” com a necessidade de informar onde estão conseguiram dispositivos que informam a cidade, o bairro e se vacilar o estabelecimento que você frequenta. Já não bastavam as fotos com legenda e marcação pra informar onde você anda e com quem anda e surgem essas maravilhas que te “apontam” com direito a mapa e tudo mais.

“Poxa, Junio está ficando maluco. Ta falando em conspiração e as zorras”.

Talvez, mas já parou pra pensar que certas coisas podem prejudicar mais do que ajudar? Hoje em dia, os caras sabem quais tipos de site você acessa, quais produtos você procura e gosta, e propagam novas tendências. Por fim acabam apontando o que escutar, quem seguir, o que usar, o que é certo e errado, onde ir e em breve vão dizer em quem votar. Não? Vai ter mídia social que fará propaganda política e o lance é simples: Divulga mais quem paga melhor. Impossível dizer em quem você vota? Os jornais não fazem isso? As revistas? Ninguem influencia seus interesses. Ah tá!

Todas essa propaganda “baseada no histórico do usuário” são estudos das coisas que você gosta de publicar ou das suas buscas na rede. É, meu primo! Você está sendo observado e pesquisado, o melhor de tudo é que as informações não são retiradas já que concordou em passar tudo isso. Mas disso todos já sabiam, nem sei pra que escrevi isso.

Você pode não me dizer onde anda, com quem, o que tem feito e quando. Mas tem dado permissão pra centenas de outras saberem ou alguém que vai informar mesmo sem querer. Provavelmente você não vai entender o motivo de estar escrevendo isso, mas a sua privacidade segurança corre risco e existem outras pessoas que estão te observando de uma distância considerável. Como eu não acredito na suprema inocência das coisas, eu fiquei me perguntando pra onde vão tantas informações e pra que são necessárias. Se eles pedem tanta informação ou apresentam essas opções “Olha, tá aqui e você usa se quiser” deve ter alguma finalidade.  

Não posso deixar de falar que a violência tem tomado conta de muitos lugares, pessoas "ruins" existem, não quero fazer terrorismo, mas os riscos existem, por mais que pensemos na melhor possibilidade de todas: Isso só acontece com outras pessoas, nunca vai acontecer comigo já que sou o escolhido do universo e todos os deuses me protegem. Se o jovem Zuckerberg tem interesse inocente em saber por onde você anda, imagine outras pessoas. [Terrorismo]

Pra melhorar o texto ou ilustrar da melhor maneira e com linguagem mais elaborada, vou colocar uma tirinha muito massa que encontrei em um site hoje. 


















































































[De pau pra porrete] A coisa que mais acho engraçada nas fotos é que as pessoas posam já sabendo que a foto vai pra rede social. As caras e os sorrisos, mais as legendas que são impagáveis. Bia sofre comigo quando vai tirar foto. Desculpa, amor! [hahahaha] [/off]
Eu sei que não é fácil ler esses textos. Por isso mesmo coloquei umas opções pra serem votadas, opiniões sobre o texto. Se achou bom, ruim, massa ou acha que pode melhorar, clica ali porque só vai me ajudar. 

"E quem disse que quero te ajudar???"

É um exercício pra melhorar minhas habilidades... Ou a falta delas. =]

Obrigado pela visita!

 * Quando me refiro a mudez não tem ligação com Deficiência Auditiva, que por sinal são conceitos totalmente diferentes.

Comentários