Carnaval, Amigos e uma mulher - Parte 1

Ajayô, meus leitores prediletos! Aqui quem fala é seu pseudo-blogueiro em mais um texto, aliás, o primeiro texto OFICIAL de 2012. Se a preguiça é a mãe do cão, eu tô ferrado! Ultimamente tem acontecido coisas legais em minha vida e resolvi aproveitar já que estava de férias - Na verdade estou de férias faz é tempo, eu quero é trabalhar! - e pra minha sorte o dinheiro chega pra mim é nessa época de farra e verão.O primeiro texto vai ser dedicado ao Afoxé mais lindo do mundo e da Bahia, o Clube Recreativo Filhos de Gandhy, toca o Ijexá Dj! 
Em outro texto eu vou abordar a história dos Filhos de Gandhy, o motivo do nome, como começou e tudo mais que vier na hora, mas muito mais do que conhecer essa história é fazer parte dela e graças a Deus e minha mãe, além da ajuda de Bia, que consegui realizar esse sonho. 



Sair nesse Afoxé traz muitas responsabilidades e um peso incrível, ainda mais quando o cara tem uma família católica, uma namorada de família evangélica, uma fama sem motivos e todo os pontos negativos que alguns colaboradores trouxeram pro bloco por causa de mulheres.  
Eu já vinha namorando a possibilidade de sair ja fazia uns 4 ou 5 anos e bem no ano que eu decidi que ia sair, veja bem, pra fazer miséria na avenida, tive a sorte de conhecer minha nêga. A primeira coisa que disse a ela quando pedi em namoro foi "Eu vou sair no Gandhy". Ela aceitou, mas todas as mulheres que estão em volta disseram não. No primeiro ano de namoro resolvi passar o Carnaval com ela e o segundo ano também, porém houve um pequeno vacilo no planejamento da viagem e eu resolvi que no ano seguinte iria celebrar essa festa pecaminosa dentro do bloco da paz.
Em todos esses anos eu conversei com várias pessoas dentro do bloco e duas delas me deram grandes conselhos sobre como deveria sair e como era a coisa lá dentro. Na verdade foram três pessoas que ajudaram a amadurecer essa idéia. Uma foi o nosso querido JP, escritor do Na Meiúca, que ja havia saído uma vez, a outra foi o marido da uma amiga chamada Carina, durante uma festa, o terceiro foi o festeiro Rodolfo, futuro vereador de Pombal ou Salvador. Rodolfo me deu dicas de como não me dar mal lá dentro e ficar esperto, além da preparação e tudo mais. JP e Marcelo (lembrei o nome, acho) me falaram uma coisa que mudou a visão que eu tinha e mostraram que o Gandhy é muito mais que pegação, é uma experiência pra vida!  JP foi mais contundente e disse "Homem que sai no Gandhy pra pegar mulher não merece ser chamado de Filho de Gandhy, é um 'paspalho'". Não lembro corretamente qual foi o adjetivo, mas era algo como um "fanfarrão". A partir daí comecei a estudar a história e me dei conta do que era, isso tudo antes de namorar, depois amadureci com o tempo e vi que era realidade.
Não vou ficar me repetindo, é um costume maldito que tenho, decidi ir a sede no Pelourinho e paguei meu carnê adiantado. Uma dica pra quem quer sair é ficar ligado no site oficial e ver as promoções pra pagar mais barato.

Chegou 2012 e seguindo alguns conselhos fui comprar as contas pros colares, na verdade eu fui fazer contas e isso gera a segunda dica: Comprem o material adiantado, de preferência uns 6 meses antes do Carnaval. Eu sou canguinha, mas o chinês tava enfiando a faca. Paguei 15 dinheiros em cada pacote de 500 gramas de contas nas cores azul e branca, e mais 9.00 em dois pacotinhos de 250 gramas das bolas maiores (lá ele extremo). 
Se isso fosse no período que estou aconselhando sairia no máximo por 20 reais e ainda levaria muito mais coisas. Você pode comprar os colares prontos por 2 reais cada em algumas lojas ou no circuito, além de poder pegar alguns mais bonitos em frente ao local onde são realizadas as entregas da fantasia, esse ano foi no Clube dos Oficiais da PM em Dendezeiros, Ribeira. Os colares variam de 2 a 25 reais, mas o prazer mesmo é fazer os colares, no início é chato e depois se torna até divertido, ainda mais se for com alguém te ajudando.

Aliás, terceira dica: Não peça ajuda a quem quer sabotar seu Carnaval. Não existe coisa mais constrangedora do que ver seus colares partindo no meio da avenida.

Esse lance de sabotar é sério, muitos casais entram em crises cruéis durante o Carnaval, são brigas homéricas e mulheres estressadissimas. Meu irmão, se você tem uma namorada extremamente ciumenta é melhor pensar duas vezes antes de sair no Gandhy, porque seu namoro corre o risco de terminar ou você corre o risco de levar chifres do tamanho de um arranha-céu. Os sócios têm fama de pegadores lendários no circuito e a mulherada não perdoa e vão pra cima mesmo. Antes de namorar uma garota, olhe no armário se tem alguns colares de Gandhy por lá e desconfie se ela disser que foi um presente de um amigo. Sei de gente que passa o pente e durante o resto do ano fica condenando os coitados. Tsc tsc tsc.
Outro mico na avenida é partir a sandália porque não quis pagar 5 dinheiros pro maluco que faz o "Reforço", que é a quarta dica: pegue uma sandália que seja exatamente o tamanho do seu pé, você escolhe o número quando vai pagar o carnê, mas no dia da entrega você pode trocar por uma melhor. Após isso pague o cara pra reforçar a sandália, não é caro! Você da a sandália ao cara enquanto pede a uma "Tia" artesã pra fazer o turbante na sua cabeça por no máximo 10 conto. Lá você vai ver outras mulheres vendendo pedra... pro turbante. Veja bem qual vai escolher, uma pedra bonita faz parte da fantasia. Eu prefiro a tradicional prata e azul, mas tem gente que põe dourado com azul e outras variações. Eu vi um maluco com o brasão do Bahia no lugar da pedra. Ficou foda, mas... é foda. Eu prefiro pagar 8 réis do que rasgar minha camisa do Bahêa pra fazer de fantasia.

Sinceramente, eu fiquei muito feliz quando coloquei a fantasia, Bia veio me ajudar a vestir e colocar os adereços. Mulher ajudando sempre vale mais e fica tudo mais bonito. Depois é borrifar o turbante com a alfazema que eles dão e sair pra rua! Fiquei com vergonha no início já que a vizinhança toda estava olhando. Mas na boa, a fantasia é linda pra caramba. Caso eu saia em 2013 vou pegar adereços mais bonitos só pra me fantasiar.
Acho que o meu prazer mesmo está em vestir a fantasia, nunca achei que ia ficar tão feliz usando um vestido e me sentiria tão másculo ao mesmo tempo. Agora eu tenho mais respeito pelos escoceses.


Comentários

  1. Gostei das nomenclaturas utilizadas para o nosso papel-moeda, das dicas, da foto fantasiado e da referência aos escoceses. Feliz por você, mano! Abração!

    ResponderExcluir
  2. Porra, velho, você lembra daquela conversa até hoje? hahaha

    Fico feliz por ter colaborado para a presença de mais um gandhy no tapete, o afoxé precisa. Tá cheio de gandhyota.

    Abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por comentar!